Analistas explicam o que é o “socialismo com características chinesas na nova era.”

19º Congresso do PCCh

“Mediante os esforços feitos durante um longo período de tempo, o socialismo com características chinesas já entrou numa nova era, que confirma a nova posição histórica do desenvolvimento da China”, afirmou Xi Jinping, o secretário-geral do Comitê Central do Partido Comunista da China (PCCh), no informe ao 19º Congresso Nacional do partido.

Dois professores sêniores da Escola Central do PCCh explicaram esta alocução de Xi em um artigo publicado no dia 20 de outubro pelo“Diário do Povo”.

O diretor do Departamento Acadêmico da Escola Central do PCCh, Xie Chuntao, considera que o socialismo com características chinesas na nova era é uma avaliação precisa sobre o atual momento do desenvolvimento da China. Após 40 anos de progresso, desde a reforma e abertura, a economia, a tecnologia, a defesa nacional e a abrangência do poder nacional da China tornaram-se vanguardistas no cenário mundial. A posição internacional da China foi também significativamente elevada, com mudanças sem precedentes ocorridas no partido, no Estado, no povo, nas forças armadas e em toda a nação chinesa. Todos estes fatores são, portanto, indicadores da entrada do socialismo com características chinesas em uma nova era.

De acordo com o secretário-geral do Centro de Pesquisa do Sistema de Teoria do Socialismo com Características Chinesas da Escola Central do PCCh, Han Qingxiang, os êxitos e reformas históricas consistem na base prática da entrada do socialismo com características chinesas em uma nova era.

“A nova era é uma generalização daquela que é a transformação da principal contradição da sociedade”, disse Xie. Esta “nova era” – explicou – modificou a principal contradição da sociedade chinesa: o desenvolvimento desequilibrado e inadequado e as necessidades sempre crescentes do povo por uma vida melhor.

Segundo Xie, além de condições de vida moderadamente prósperas, o povo anseia também por uma vida material e cultural superior. Com o progresso surgem também necessidades nos âmbitos da democracia, Estado de direito, igualdade, justiça, segurança, meio-ambiente, entre outros. A entrada na nova era chama a atenção para um desenvolvimento pleno e equilibrado para satisfazer as exigências populares.

De acordo com Han, a China deve agora se debruçar sobre uma nova posição histórica, dedicar-se à resolução da principal contradição social, realizar novos feitos históricos, almejar uma ampliação teórica e novos avanços no “achinesamento” do marxismo, reforçando, assim, o vigor do socialismo com características chinesas.

Por Liu Junguo, no Diário do Povo

 

 

Compartilhe: