Antônio Guterres defende cooperação para prevenir conflitos

ONU

O Secretário Geral da ONU, Antônio Guterres, defendeu nesta terça-feira (10), a cooperação internacional como ferramenta chave para prevenir conflitos e garantir a paz mundial.

Em sua primeira participação formal no Conselho de Segurança desde sua chegada ao cargo em 1º de janeiro, o ex-primeiro-ministro português pediu para identificar de maneira antecipada as crises e para responder coletivamente sob o mandato da Carta da ONU, organização – lembrou – criada para evitar guerras.

“Para isso, precisamos da confiança entre os Estados membros e em suas relações com a ONU”, afirmou em um debate aberto do Conselho sobre prevenção de conflitos e manutenção da paz.

Guterres reiterou sua disposição para trabalhar no fortalecimento das relações e da comunicação com o Conselho de Segurança, órgão encarregado de preservar a paz mundial.

De acordo com o Secretário Geral, a coexistência pacífica está sob ameaça.

“Milhões de pessoas que vivem em situações de crise esperam que o Conselho de Segurança ajude a garantir a estabilidade mundial e a protegê-las da violência, mas se trata de um desafio complexo, a partir do enorme custo humano e econômico dos conflitos”, alertou.

Segundo Guterres, a maioria dos conflitos no mundo é interna, mesmo quando seu impacto alcança proporções regionais e transnacionais, devido às lutas pelo poder e por recursos, as desigualdades, a marginalização, a exclusão e a má governança.

“Sem dúvida, enquanto as causas das crises estão inter-relacionadas, a resposta da ONU continua fragmentada”, disse ele.

Para o Secretário Geral da ONU, tal cenário requer uma unidade de ação voltada para a paz, a segurança, o desenvolvimento sustentável e os direitos humanos.

“Esta conexão de esforços deve ser manifestada na prática, não apenas em palavras”, disse.

Durante o debate do Conselho de Segurança, presidido pela chanceler sueca Margot Wallstrom, Guterres recebeu o apoio dos Estados membros em seus esforços como nono Secretário Geral da organização.

Resistência, com Prensa Latina

Compartilhe: