Botas no chão líbio

Imperialismo

O secretário norte-americano da Defesa, Ashton Carter, submeteu à Casa Branca um plano pormenorizado para levar a cabo operações militares em toda a Líbia, noticiou o New York Times. E já há boots on the ground –­ tropas no terreno, em jargão castrense.

O jornal nova-iorquino escreve que, uma vez o plano aprovado por Obama, aviões estado-unidenses atacarão campos de treino, centros de comando e depósitos de munições do Estado Islâmico (EI). Também assegurarão a cobertura aérea a milícias armadas apoiadas pelos EUA e que incluem elementos extremistas semelhantes aos do EI.

Em debates televisivos da campanha eleitoral presidencial, a candidata democrata Hillary Clinton defendeu a colocação de forças especiais norte-americanas na Líbia e o alargamento das operações militares dos EUA.

Naquele estado norte-africano, destroçado pela intervenção da Otan em 2011, há hoje grupos armados líbios que recebem “ajudas” dos países ocidentais, como a milícia “Amanhecer da Líbia”, que integra combatentes vinculados à Al Qaeda. As forças leais ao parlamento de Tobruk são apoiadas pela CIA.

Já este mês, a França foi forçada a admitir a presença de tropas suas na Líbia, quando um helicóptero foi abatido a 70 quilômetros de Benghazi e morreram três militares. Paris confirmou que os soldados franceses estão envolvidos em “operações secretas perigosas”, no combate ao “terrorismo” em solo líbio.

De acordo com a imprensa, tropas francesas, britânicas e norte-americanas estão a “cooperar” com as forças do general Khalifa Haftar, ligado à CIA.

Fonte: Avante!

Temas: , ,
Compartilhe: