China e Cuba reforçam relações entre os partidos comunistas

Movimento Comunista

O chefe do Departamento Internacional do Comitê Central do Partido Comunista da China (PCCh), Song Tao, manteve conversações nesta quinta-feira (17) com uma delegação do Partido Comunista de Cuba sobre as excelentes relações entre ambos os partidos.

O primeiro secretário do Comitê Provincial do PC de Cuba em Sancti Spíritus e membro do Comitê Central, José Ramón Monteagudo Ruiz, está à frente da delegação cubana integrada também pela primeira secretária do Comitê Provincial do Partido em Pinar del Rio, Gladys Martínez Verdecía, assim como por outros dirigentes provinciais e municipais.

De acordo com Song, a China desenvolve as relações com Cuba em nível estratégico a longo prazo e por isso prioriza o intercâmbio com benefício mútuo.

Apesar da distância geográfica entre ambas as nações socialistas, existe uma proximidade no coração de nossos povos porque compartilhamos os mesmos ideais e convicções, isto é o que nos diferencia nas relações bilaterais com outros países, assegurou.

O dirigente chinês afirmou que seu país sempre está disposto a compartilhar sem reservas as experiências com os companheiros cubanos acerca do processo de reforma e abertura, assim como sobre a construção do socialismo.

Por sua parte, Monteagudo agradeceu em nome de sua delegação o convite para manter esses encontros.

Os cubanos se alegram com todos os êxitos que a República Popular da China alcançou sob a direção do PCCh, fundado há 96 anos, em todo o processo de reforma e abertura e na construção do socialismo com características chinesas, afirmou.

O dirigente cubano deu uma informação geral sobre o trabalho do Partido no processo de atualização do modelo econômico e social de desenvolvimento em seu país.

Ademais, falou sobre os esforços que o povo cubano faz para enfrentar a política de bloqueio do governo dos Estados Unidos, os efeitos da crise econômica internacional e das mudanças climáticas.

Em declarações à Prensa Latina, Monteagudo enfatizou a necessidade de dar continuidade ao intercâmbio entre os dois partidos, tanto em Cuba como na China, pois isto fortalece as relações bilaterais.

Resistência, com Granma

 

Compartilhe: