Começou em Bogotá, o 6º Congresso da União Patriótica da Colômbia

Colômbia

O 6º Congresso do Partido União Patriótica (UP) iniciou nesta quinta-feira (22) sua primeira sessão plenária, com a participação de delegados de 25 departamentos, duas regiões e sete organizações de forças de esquerda e democráticas da Colômbia.

Liderados pela sua presidenta, Aida Avella, os delegados ao encontro se propõem a definir o melhor rumo para o papel da UP nas circunstâncias atuais, em meio à aplicação dos acordos de paz entre o governo e as Farc-EP e o início dos diálogos entre o executivo e o Exército de Libertação Nacional (ELN), em Quito.

É um desafio para os participantes conseguir materializar a unidade e uma grande convergência, capaz de defender e aprofundar as conquistas democráticas alcançadas nesses tempos, manifestou a dirigente máxima da organização.

A UP não se reunia em um congresso desde sua quinta nominata, em 2013, após ter recuperado sua personalidade jurídica, sendo reconhecida pelo Conselho de Estado, porém ainda sem maiores garantias e em meio às lutas políticas e sociais de então, ligadas ao início do processo de paz com a guerrilha e às novas mudanças democráticas.

Em declarações prévias ao VI Congresso, Avella expressou que se deve observar como será garantido o avanço do processo pacificador com o ELN e o cumprimento e a implementação dos passos acordados pelas Farc-EP e o governo, visando a garantir a paz.

Acrescentou que, em sua reunião, a UP tampouco passará por cima da condenação dos assassinatos dos líderes camponeses, indígenas e afros, assim como se pronunciará em defesa da água em muitas das comunidades da Colômbia.

Em declarações ao semanário Voz, Avella expressou que se deve entender que o acordo de paz com a maior guerrilha da Colômbia é a tarefa política mais transcendente desde os princípios do século no país e “isso demanda que a UP discuta as orientações políticas, ideológicas e organizativas necessárias para este tempo”, ressaltou.

Afirmou que a plataforma política da UP será atualizada, assim como os seus estatutos, procederão também à eleição da Junta Patriótica Nacional, durante as sessões de três dias, que serão realizadas na sede da Associação Cristã de Jovens, em Bogotá.

O tema do congresso da UP, fundada em novembro de 1985, agora com quase 32 anos, será centrado, até seu encerramento neste sábado, na unidade para a paz e a democracia.

Em sua sessão inaugural participaram, como convidados, delegados das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia Exército do Povo, assim como a aspirante à candidatura à presidência, Piedad Córdoba; o secretário-geral do Partido Comunista, Jaime Caicedo; e o ex-prefeito de Bogotá, Gustavo Petro.

Fonte: Prensa Latina, tradução de Maria Helena De Eugenio para o Resistência

Compartilhe: