Cuba desmascara EUA em debate sobre direitos humanos na ONU

Geopolítica

O embaixador de Cuba ante a sede da ONU em Genebra, Pedro Luis Pedroso, repudiou a manipulação com fins políticos e o duplo critério no tratamento do tema dos direitos humanos, ao responder aos ataques dos EUA no Conselho de Direitos Humanos, informaram, nesta quinta-feira (21), fontes diplomáticas.

Ao intervir no 36º período de sessões do CDH, o diplomata demandou se “serão talvez a politização, os dois pesos e duas medidas e a seletividade, estas más práticas, que acabarão se impondo nos labores do Conselho?”, para depois agregar que “muitos esperamos que não seja assim”.

De acordo com um comunicado da missão de Havana em Genebra, Pedroso assinalou que “vários países continuam tentando se erigir como paradigmas da promoção e da proteção dos direitos humanos e utilizam este e outros temas da Agenda para criticar a outros países, enquanto nos seus próprios territórios a xenofobia, o racismo e a intolerância aumentam a níveis altamente preocupantes”.

Além disso, o diplomata cubano questionou a seriedade das preocupações dos EUA quanto aos direitos humanos em países do Sul, “quando promovem guerras e intervenções contra estes e depois ignoram ou se desinteressam do sofrimento que causaram com estas ações aos cidadãos cujos direitos supostamente procuram melhorar”.

Depois de recusar a manipulação do tema dos direitos, sustentou que “as acusações contra o meu país feitas pelo representante dos Estados Unidos, além de infundadas, são incongruentes com a necessidade de propiciar um debate objetivo, não politizado nem discriminatório sobre a problemática dos direitos humanos”.

O embaixador enfatizou que a dita declaração, centrada nas supostas violações de outros, “pretende que todos ignoremos as violações de direitos humanos que ocorrem em seu território, e a profunda preocupação internacional provocada pela linguagem de exclusão que aflora neste país”.

Fonte: Prensa Latina

Compartilhe: