Furação Irma: Cuba em plena recuperação com disciplina, organização e integralidade

Cuba

Foto: Carlos Cánovas

Tão logo a natureza o permitiu, milhares de homens e mulheres saíram às ruas para tirar os obstáculos das vias, limpar casas e locais de trabalho, de saúde e educação, recuperar as redes elétricas e de comunicação, cozinhar alimentos para oferecer à população afetada e catar tudo aquilo que se possa das culturas afetadas.

Em visitas aos lugares afetados e em contato com a população, os principais líderes do país verificaram os trabalhos de recuperação e exortaram a ter disciplina, organização e abordagem integral naquilo que seja feito.

O primeiro vice-presidente dos Conselhos de Estado e de Ministros, Miguel Díaz-Canel Bermúdez visitou as províncias de Artemisa e Mayabeque e em uma troca com as autoridades dessas províncias exortou a apagar o mais rapidamente possível os sinais da passagem do furacão, restabelecer os serviços de maior importância para a população e trabalhar na recuperação agrícola e nas moradias e instalações afetadas.

Em uma visita à usina termoelétrica de Mariel, Díaz-Canel apreciou os trabalhos de reparação da mesma, que permitiram restabelecer a eletricidade e inserir novamente a termoelétrica no circuito nacional.

Acompanhado do secretário-geral da Central dos Trabalhadores de Cuba (CTC), Ulises Guilarte de Nacimiento, Díaz-Canel presidiu uma reunião no Conselho de Defesa Provincial em Mayabeque, onde foram examinadas as medidas para a recuperação, as ações a acometer e como resolver cada problema.

Soube-se que as perdas na agricultura são de 1.4 mil hectares de banana, mandioca e milho e outras culturas, afetações na rodovia Via Blanca e na usina termoelétrica de Santa Cruz del Norte, onde a medidas adotadas permitem apreciar avanços na recuperação.

Por seu lado, em uma visita ao polo turístico de Varadero, o presidente da Assembleia Nacional do Poder Popular, Esteban Lazo Hernández, soube que esse enclave turístico teve afetações mas que deve estar pronto antes de 15 de novembro, quando começa a alta temporada do turismo.

Em uma reunião no Conselho de Defesa Provincial em Matanzas, Lazo recebeu informação acerca da usina termoelétrica Antonio Guiterras, muito afetada, o que representa um esforço grande, pois o dano causado não se pode resolver em poucos dias.

Outras informações oferecidas pela vice-presidenta do Conselho de Defesa Provincial, Tânia Silveira, indicam que o furacão afetou de forma parcial umas 2 mil moradias, 200 delas totalmente destruídas. Na agricultura afetou uns 1.000 hectares de cana e outras culturas alagadas.

Nas restantes províncias continuam os trabalhos de recuperação. Aos poucos, vão chegando forças e meios de outras províncias para ajudar, principalmente, no restabelecimento dos serviços de eletricidade, telefones e água, retirada de escombros e árvores derrubadas e para devolver a normalidade aos territórios.

Por outro lado, a Venezuela foi o primeiro país a enviar ajuda humanitária, quando um avião da Força Aérea desse país chegou ao aeroporto José Martí, de Havana, com uma carga humanitária de colchões, água e alimentos. E agências das Nações Unidas presentes em Cuba mostraram sua disposição de organizar e coordenar uma resposta integrada que seja “bem efetiva, nesta circunstancia complexa, as afetações provocadas pelo furacão Irmã, o mais intenso dos últimos anos”.

Fonte: Granma

Compartilhe: