Governo venezuelano considera que início de renegociação da dívida foi um êxito

Venezuela

O governo da Venezuela considerou um êxito o início do processo de renegociação e reestruturação da dívida externa com credores e detentores de títulos do petróleo.

Em comunicado difundido nesta segunda-feira (13), o governo bolivariano afirmou que foi altamente positiva a reunião realizada com esse objetivo, da qual pqrticiparam possuidores de títulos da estatal Petróleos de Venezuela S. A. (Pdvsa) provenientes dos Estados Unidos, Panamá, Reino Unido, Portugal, Colômbia, Chile, Argentina, Japão e Alemanha.

O encontro, segundo o documento, propiciou a oportunidade para ratificar que a Venezuela mantém sua obrigação de cumprir com seus compromissos financeiros como tem feito até o momento, apesar ‘das complexidades que artificialmente geraram aqueles que, desde a Administração Trump e seus aliados políticos venezelanos’, tentam desestabilizar a nação sul-americana.

Ademais, o encontro serviu para patentear a intenção das autoridades venezuelanas de superar esses obstáculos, ‘através de mecanismos sérios, claros e abertos, empreendidos de maneira comum’ com os credores, de acordo com a nota oficial.

Recordou que Washington, mediante a Oficina de Controle de Ativos Estrangeiros (OFAC), efetua ações contra a Pdvsa para agredir a economia da Venezuela com o objetivo de entorpecer o pagamento da dívida aos detentotres de títulos.

Não obstante, indica o documento, nos últimos 36 meses, a Venezuela pagou 73 bilhões e 359 milhões de dólares.

O governo denunciou também a manipulação por parte dos Estados Unidos das agências de risco país contra a nação sul-americana para encarecer o custo de sua dívida e obstaculizar o acesso da Venezuela a financiamento externo.

Por último, o governo bolivariano confirmou sua decisão de que continuará a construção de um estado de bem-estar para o povo venezuelano.

Anteriormente, no referido encontro com os credores, o vice-presidente executivo, Tareck El Aissami, afirmou que apesar dessa investida, a Venezuela se encontra protegida para a busca de outras fontes de financiamento.

O vice-presidente, que também é titular da Comissão Presidencial para renegociar os termos da dívida externa da República e da Pdvsa, reiterou que a nação sul-americana está comprometida a empreender novas fórmulas para sair da situação complexa.

Resistência com Prensa Latina

Compartilhe: