Nanquim se torna primeira Cidade Internacional da Paz da China

China

Nanquim se tornou a primeira Cidade Internacional da Paz da China.

No tristemente conhecido Massacre de Nanquim, ocorrido durante a Segunda Guerra Mundial, morreram cerca de 300 mil chineses e 20 mil mulheres foram violadas, recordou J. Fred Arment, diretor executivo das Cidades Internacionais da Paz em um discurso em um vídeo.

Esta história faz as pessoas recordarem a guerra e conscientizar-se mais sobre a importância da paz, disse.
Situada na Província de Jiangsu, leste da China, Nanquim foi a capital chinesa durante seis dinastias. O frio inverno de 1937 foi testemunha de uma matança brutal por parte das tropas invasoras japonesas. Uma pessoa era assassinada a cada 12 segundos na cidade. (Para saber mais sobre este massacre leia o artigo “Por que a China lembra Nanquim quando o Japão fala em Pearl Harbor?“).

Ao todo 172 cidades em 50 países e regiões foram incluídas na lista de Cidades Internacionais da Paz. Entre elas se encontram Coventry na Inglaterra, Berna na Suíça, Amsterdã na Holanda e Berlim na Alemanha.

Liu Cheng, presidente da UNESCO sobre Estudos para a Paz e professor da Universidade de Nanquim, assinalou que existem certos requisitos para tornar-se uma Cidade Internacional da Paz.

“Por exemplo, a cidade deve ter ficado traumatizada pela guerra ou ter sido testemunha de grandes eventos relacionados à paz”, explicou. “Também deve estar avançada em estudos e atividades relativos à paz”, acrescentou.

Há mais de dois anos, o Instituto de Estudos para a Paz que Liu dirige, em colaboração com o Instituto da História do Massacre de Nanquim e Paz Internacional (IHMNPI), apresentaram uma solicitação à organização Cidades Internacionais da Paz,
“o que a história nos deixa não é o ódio, mas a nossa consciência sobre a paz”, declarou.

“Nanquim se encontra entre as cidades que sentiram uma maior dor durante a Segunda Guerra Mundial e o Massacre de Nanquim nos deixou lembranças que não se podem esquecer”, afirmou Zhang Jianjun, presidente executivo do IHMNPI. “Por isso entendemos melhor quão valiosa é a paz”, destacou.

A educação para a paz foi sempre um tema enfatizado em Nanquim. A Universidade de Nanquim é a primeira universidade a realizar pesquisas relativas aos estudos sobre a paz na China.

Kawasaki Akira, representante do Navio da Paz, uma organização não governamental japonesa, disse que a designação de Nanquim como Cidade Internacional da Paz ajudará a China a estimar mais a paz e o Japão a refletir sobre si mesmo.

“A paz não significa apenas que não há guerra”, manifestou Lee Ji Won, professor da Universidade Daelim da República da Coreia. “A paz também significa reduzir a violência, melhorar a justiça e salvaguardar os direitos humanos”, indicou.

“A paz é a única saída para os seres humanos”, assegurou Cao Lubao, um funcionário de publicidade da cidade de Nanquim. “Os povos de todos os países devem tirar lições da história e fortalecer a comunicação”, acrescentou.

Fonte: Agência Xinhua 

Compartilhe: