Nasce na Colômbia a Força Alternativa Revolucionária do Comum

Colômbia

O Congresso das Farc-EP destinado a fundar um novo partido político aprovou nesta quinta-feira (31) a criação da Força Alternativa Revolucionária do Comum.

O nome  foi adotado no penúltimo dia do conclave de cinco dias, quando também foi aprovado pelos mil delegados presentes o logotipo do novo Partido, que com esse nome não perderá sua identidade dos começos da guerrilha em Marquetalia faz mais de cinco décadas.

O emblema da nova entidade política que sucede as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia – Exército Popular, tem como elementos distintivos uma flor vermelha com uma estrela, acompanhada pelas iniciais da formação revolucionária incipiente.

O encontro das Farc reuniu milhares de delegados e 200 convidados de diversos setores da sociedade colombiana desde o último domingo no Centro de Convenções Gonzalo Jiménez de Quesada, em Bogotá, bem como dezenas de delegações convidadas internacionais de outros países, entre elas o Partido Comunista do Brasil (PCdoB), que está representado por Socorro Gomes, membro do Comitê Central e presidenta do Conselho Mundial da Paz. (Leia aqui a mensagem do PCdoB enviada ao Congresso da Farc).

No início, Iván Márquez, membro do Secretariado do Estado Maior das Farc, informou que o novo nome poderia ser Força Alternativa Revolucionária da Colômbia, mudando apenas a palavra Armadas e eliminando o EP.

Timoleón Jimenéz, alias Timochenko, encorajou uma espécie de pesquisa através da sua conta no Twitter, na qual ele propôs um debate em torno de quatro nomes possíveis para a futura organização: Nova Colômbia, Esperança do Povo, Farc -EP e Novo Partido. Nos debates internos do Congresso, a proposta das Farc finalmente prevaleceu.

De acordo com fontes bem informadas, o Congresso das novas Farc, que será concluído nesta sexta-feira (1º), anunciará outras decisões cruciais para o futuro dessa organização política, agora no âmbito da vida democrática colombiana, incluindo a composição da direção máxima.

Também será decidido quais os membros da Farc que assumirão suas funções no Congresso da República, conforme acordado com o governo nas conversas de Havana, com cinco senadores e um número igual para representar a organização na Câmara dos Deputados.

Além disso, o Congresso das Farc apresentará seu programa e a ação futura antes do próximo ano, quando haverá eleições para presidente da República e para as duas câmaras parlamentares.

O Congresso será encerrado com um grande ato cultural e político de massa na Plaza Bolívar, no centro da capital colombiana.

Resistência com Prensa Latina

Compartilhe: