Oscar Rivera em Cuba: “Sinto que estou em casa”

Solidariedade

Oscar Rivera é recebido pelo Herói cubano Fernando González

O lutador independentista porto-riquenho Oscar Rivera enviou uma mensagem de agradecimento e amor ao povo e governo cubanos ao chegar a Havana na madrugada desta segunda-feira (13).

“Sinto que estou em casa, meu sonho se transforma em realidade, depois de muitíssimos anos querendo vir a Cuba, onde hoje chego pela primeira vez”, disse ao ser recebido com um caloroso abraço pelo Herói da República de Cuba e presidente do Instituto Cubano de Amizade com os Povos, Fernando González Llort, com quem passou anos na prisão.

O ex-prisioneiro político, que sofreu injustamente quase 36 anos em prisões dos Estados Unidos, por “conspiração sediciosa” até ser libertado em 17 deste ano, disse que desejava aos cubanos muita força e que definitivamente o povo de Porto Rico estará sempre junto a Cuba.

“Estou bem esperançoso de poder desfrutar todo o tempo que possa com o povo cubano. Eu me sinto bem vivo e, na minha idade, creio que posso trabalhar umas 14 ou 15 horas por dia, sinto-me bem”, comentou.

Sobre sua terra natal, Porto Rico, disse que as condições são duríssimas. “Nenhum porto-riquenho pode dizer que manda em Porto Rico, quem manda são Washington e Wall Street”.

Acrescentou que o governo dos Estados Unidos e Donald Trump já demonstraram que não têm nenhum sentido de respeito, nem a menor consideração com um povo que está sofrendo.

“Depois do furacão Maria, Porto Rico ficou devastado e mostra ao mundo a pobreza que existia e que estava escondida; mostra ao mundo o que é o colonialismo, porque é talvez o melhor exemplo do que é um país que por 119 anos foi colonizado pelo governo estadunidense, e como se comportou por estes 119 anos o governo estadunidense com Porto Rico. Se há uma grande dívida é a que os EUA têm com Porto Rico”, enfatizou.

López Rivera comentou que existem mais porto-rriquenhos vivendo na diáspora do que na ilha e que depois de 20 de setembro de 2017, quando Porto Rico foi atingido pelo furacão Maria, muitos outros se foram.

A esse respeito destacou que o governo dos Estados Unidos não permitiu que a ajuda de países como Venezuela, Panamá, Cuba e México, chegasse a Poerto Rico.

López Rivera receberá durante esta primeira visita a Ordem da Solidariedade, outorgada pelo Conselho de Estado, e durante sua estada em Cuba visitará o Memorial a Che Guevara em Santa Clara e Santiago de Cuba, onde repousam os restos mortais do Herói Nacional José Martí e do Comandante em Chefe Fidel Castro Ruz.

Resistência com Granma

Compartilhe: