Síria denuncia novos crimes da “aliança” liderada pelos EUA

Síria

No último dia 20 de setembro a República Árabe da Síria denunciou novos crimes da autodenominada “aliança internacional”, liderada pelos Estados Unidos da América, que sem autorização da ONU invade o território sírio a pretexto de combater o terrorismo. Leia a carta abaixo.

Duas cartas, de igual teor, datadas em 20 de setembro de 2017, encaminhadas pelo Delegado Permanente da República Árabe da Síria nas Nações Unidas ao Secretário-Geral da ONU e ao Presidente do Conselho de Segurança

Conforme instruções do meu Governo e em aditamento à nossa carta na qual relatamos os crimes dos “aliados internacionais”, liderados pelos Estados Unidos da América, suas agressões contra a soberania, contra a integridade territorial da República Árabe da Síria e contra os civis inocentes filhos do povo sírio, encaminho a vossa atenção o seguinte:

– A aviação de guerra dos “aliados internacionais” manteve os ataques contra as áreas povoadas por civis, contra a infraestrutura e instalações públicas na República Árabe da Síria, fato que vitimou 94 civis e feriu dezenas deles no último período, em sua maioria mulheres e crianças, nos distritos de Hasaka, Deir Ezzour e Raqqa.

– A aviação de guerra dos “aliados internacionais” alvejou a região de Shadadi, no distrito de Hasaka, o que resultou na morte de 60 civis, moradores dos vilarejos de Jazaa, Shamsani, Fadghami e Keshkesh Zaianat. Os aviões de guerra dos “aliados internacionais” cometeram, ainda, dois massacres, ao bombardearem as áreas residenciais da cidade de Raqqa e a zona rural ao norte de Deir Ezzour, em 13 de setembro de 2017, que resultaram na morte de 22 civis. Além das agressões destes aliados contra a cidade de Mahkan e a cidade de Maiadeen, em Deir Ezzour, perpetradas em 16 de setembro de 2017, resultaram na morte de 12 civis.

A República Árabe da Síria, ao expressar sua mais veemente condenação às agressões dos “aliados internacionais”, aos seus crimes de guerra, aos seus crimes contra a humanidade cometidos contra os civis sírios, à continuidade de seus bombardeios contra as áreas povoadas por civis e à destruição da infraestrutura e das instalações de serviços públicos, incluindo as instalações de saúde, de ensino e religiosas, reitera sua exigência ao Conselho de Segurança para dar um basta a estes crimes bárbaros e a estas sérias violações ao Direito Internacional Humanitário e ao Direito Internacional, cometidos pelos “aliados”, formados sem um pedido do Governo sírio e sem autorização das Nações Unidas, de forma a violar os princípios da Carta das Nações Unidas e as normas do Direito Internacional.

A República Árabe da Síria reitera seu apelo aos países, os quais os “aliados” cometem os crimes em seu nome, a se retirarem desta aliança e a se distanciarem destes crimes.

A República Árabe da Síria reitera, ainda, a sua exigência ao Conselho de Segurança, para que assuma as suas principais responsabilidades em manter a paz e a seguranças internacionais e o clama a cumprir as suas resoluções relativas ao combate ao terrorismo, especialmente a resolução Nº 2253, e a prevenir, de forma imediata, o cometimento de outros crimes, por parte dos “aliados”, contra os civis inocentes da República Árabe da Síria.

Compartilhe: