Venezuela denuncia na Unicef emprego de crianças em protestos violentos

Venezuela

A Venezuela denunciou ao Fundo de Nações Unidas para a Infância (Unicef), o emprego de crianças e adolescentes nas ações de ódio e violência que executam grupos opositores da ultra-direita há mais de 50 dias.

A informação ofereceu-a nesta quinta-feira (25) o vice-ministro das Relações Exteriores para Temas Multilaterais Rubén Darío Molina, em um contato telefônico com o programa Direitos Humanos na Revolução, transmitido pela Rádio Miraflores, de Caracas.

Molina alertou que crianças e adolescentes são utilizados e afetados pela violência opositora e foram entregues provas testemunhais, fotográficas e audiovisuais destes infantes preparando bombas molotov (caseiras) e lançando objetos contundentes em protestos violentos convocados pela ultra-direita, “com todas as consequências que isso trás”.

O vice-chanceler comentou ter entregue cópia desta denúncia à chefe de gabinete do secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU); ao Escritório do Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos; ao secretário-geral do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD); bem como aos 195 países credenciados na ONU, “para que saibam o que está ocorrendo na Venezuela”.

Por sua vez, lamentou que, apesar de as ações denunciadas vulnerarem os direitos da criança e do adolescente e suas possibilidades de desenvolvimento, “não têm tido uma condenação direta de organismos internacionais”.

Deplorou que os organismos internacionais não se pronunciem sobre estes delitos de ódio, “nem sequer após receber a denúncia do ataque terrorista a um hospital materno-infantil, em Caracas, por grupos de oposição extremistas”.

Fonte: Prensa Latina

Compartilhe: