Da Venezuela chega uma carta trazendo canções de amor, luta e esperança

Opinião

A redação do Resistência recebeu uma carta do brasileiro Odorico Ribeiro, que mora há mais de 40 anos na Venezuela. Defensor da revolução bolivariana, Odorico faz o que pode para manter seus conterrâneos a par do que realmente acontece na pátria de Chávez, tão cercada, tão atacada e constantemente difamada. Observador arguto da realidade venezuelana, já em outubro de 2015 Odorico advertia que, caso a oposição não conseguisse derrubar Maduro usando o cerco econômico ou um golpe parlamentar, a violência iria retornar com nova força, “disso não tenho dúvida”, afirmava. “Com certeza vai se incrementar a violência aqui de novo, apesar das medidas governamentais preventivas, baseadas nas recentes experiências. Os opositores vão tentar algo e esse algo não me cheira nada bem. Esperemos. Já houve algumas escaramuças. Conheço esse gado.” Poucos meses depois os fatos, infelizmente, deram razão à previsão de Odorico. Prédios públicos atacados, militantes chavistas assassinados, mais de cem mortos pela violência da oposição, que tentava derrubar o governo pelo caos e pela força.

A unidade popular, a firme determinação do povo em defender sua soberania, repeliu a feroz investida. Depois da grande vitória que foi a eleição para a Assembleia Nacional Constituinte em 30 de julho, a luta política na Venezuela entra em nova fase, onde o cerco internacional promovido pelo imperialismo contra o país tenta compensar as seguidas derrotas internas que a oposição pró-ianque vem sofrendo. Nesta nova carta, Odorico nos fala da “Nova Venezuela” que está sendo construída e nos indica duas canções de amor, de luta e de esperança. A carta e as canções seguem abaixo.

Aqui na Venezuela se fazem várias canções cheias de beleza, de momento histórico e de razão

Como já sabemos, o que está em jogo na Venezuela é o destino futuro do ser humano que hoje está pelo chão, pisado e cuspido, sem valer nada ou quase nada. A Venezuela é uma esperança viva para que finalmente surjamos, os seres de bem, e construamos o mundo que todos queremos.

Por Odorico Ribeiro

De repente, graças a atual cultura – que ainda está vigente – isso soa impossível, ou ilusório. Mas não é assim, não. Há, sim, outro mundo possível, há outro ser humano possível, que já se vê, se sente.

Quanto às mentiras que a grande mídia nos mostra, elas são apenas isso: mentiras. E não estou falando somente da mídia brasileira, não. Isso é em todo o mundo (até aqui mesmo), pois dinheiro e mídia não faltam aos que ainda dominam o mundo.

E dominam para que, para o nosso bem? Para o bom desenvolvimento da nossa sociedade? Para acabar com a violência contra tudo e contra todos? Para garantir a ecologia? Ou a coisa piora, a cada dia que passa?

Enfim, hoje lhes envio duas simples músicas, que mostram o esforço amoroso de todo um povo. Aqui se sofre um ataque perverso, mas o heroico povo venezuelano está aguentando firme, com consciência, com suor, lágrimas, trabalho e sangue.

Realmente, a dívida histórica para com o venezuelano é muito grande. Mas não se preocupem, pois tudo isso se faz com amor. Parece que já o futuro está chegando por aqui e amor é a palavra de ordem.

Bem, gente, vejam os vídeos abaixo, mas não esqueçamos nunca que precisamos nos informar melhor assistindo, por exemplo, a Telesur. Não esqueçamos nunca de quem realmente é a grande mídia que nos acossa, nos coíbe, nos engana todo o tempo. Só assim compreenderemos que os tais donos do mundo obviamente não querem que se saiba que aqui se está tentando construir uma sociedade amorosa, fraterna, inteligente.

Pois é, eles não querem que se saiba que isso é perfeitamente possível, mesmo com as dificuldades atuais – causadas por eles mesmos. Mas a eles, gente de muito baixa estatura moral, isso não lhes interessa, o que lhes interessa são escravos servindo-lhes. Amor neles. Divulgação neles.

Compartilhe: